quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Prazer

Estou neste preciso momento a assistir à defesa de uma monografia de mestrado por uma pessoa que orientei. E há momentos, como docentes, em que sentimos um certo orgulho. Este é um deles. É clarissímo que o candidato nada me deve em termos da excelência da defesa que está a produzir. Nem sequer em termos do trabalho que apresenta, embora o tenha elaborado no quadro de teorias e métodos que eu subscrevo e de que até possuo laivos de autoria, mas no fundo isso é irrelevante.

Eu estou apenas orgulhoso de ter podido ajudar e estar associado ao seu trabalho. É raro ver um professor agradecer aos alunos que teve o simples facto de o terem sido. É o que eu pretendo fazer quando chegar a minha vez de falar.

5 comentários:

ci4cc disse...

Pois é. Também já me senti assim algumas vezes... já aprendi muito com alguns dos meus alunos.

Animal disse...

agora habilita-te a que os velhotes (ou o avô) vão aí pra te partir as fuças por não teres estimulado o pimpolho a ir pra jogador de futebol ou autarca...

Alice ... disse...

sobretudo com Bolonha ...

T-Regina disse...

Olá Piotr, felicito-o calorosamente! - e, desculpe lá a pergunta, está tudo bem consigo? Quando voltamos a lê-lo? Saudações blogosáuricas :)

heidy disse...

A isso se chama humildade! Uma atitude um pouco esquecida nas nossas faculdades. :)