segunda-feira, dezembro 10, 2007

Conto de Natal

Olhou para o parapeito da janela onde dois pombos se entretinham a esconder da chuva. Lá fora fazia um vento frio e a humidade entrava pelos ossos adentro. Na prateleira da esquerda estava depositado o correio por abrir da ultima semana. Nem sequer a carta com a ameaça de corte da electricidade por falta de pagamento lhe tinha despertado curiosidade. Na parede em frente pendiam desalinhadas duas fotos dos seis netos. Da estante, junto à porta da sala, tinham caído meia dúzia de livros, que se espalharam pelo chão afora até à mesinha onde jazia um computador velho cheio de pó. A casa, já tinha conhecido melhores dias, estava agora sempre numa semi penumbra. Uma espécie de nevoeiro que parecia reter memórias de outrora. O homem continuou a olhar para o parapeito, de onde já tinham desaparecido os pombos. Estava congelado no tempo, perdido na perscrutação de lembranças que não pareciam ser nem boas nem más. A face estava como tudo o resto naquela casa. Sem cor, sem emoção e sem sentido. Jazia junto ao pé direito, calçado com uma chinela velha, um papel que parecia ser de análises ao sangue. Uma carta, na mão direita estava há largos minutos na iminência de cair para o chão abandonada na inutilidade das novidades que jão não importavam. Aparentemente as metastases tinham alastrado ao fígado. Finalmente. Pouco depois o homem sentara-se junto à mesinha onde jazia o velho computador e onde estavam as pastas com os exames médicos e os prospectos do lar de terceira idade que prometia uma velhice com "tranquilidade e qualidade". Tinha feito as contas e os filhos teriam de entrar com mais de metade do pagamento. A pensão de reforma de director do laboratório de qualidade não chegava para a mensalidade e todo o PPR seria para a entrada inicial. O fee. Além disso ainda era preciso suportar uma parte das despesas de saúde que o seguro já não cobria. Esgotara-se. Nem um terço da despesa da farmácia e da radioterapia. Esperava que pelo menos o seguro ainda cobrisse a operação à catarata da vista direita. Tinha feito as contas e concluira, com óbvia racionalidade, que o mais vantajoso para todos seria o seu desaparecimento. Os filhos mal conseguiam aguentar os pagamentos das mensalidades dos colégios dos netos, as fardas, as aulas de natação, os computadores, os softwares e o diabo que hoje tudo se paga como resgate do rei. A ordem natural da vida deveria ser o avô a ajudar e não a tornar-se num peso inútil. Um empecilho que se mija e gasta uma fortuna em fraldas. Abriu o estojo que estava na cómoda. Retirou a arma. Verificou o carregador e meteu uma bala na câmara. Puxou a culatra atrás e ouviu a bala a entrar no cano. Encostou a boca do cano à têmpora direita e premiu o gatilho. Clic. Clic. Clic. Clic. Clic. Foda-se. O cabrão do marroquino tinha-o aldrabado. Tinha trocado o ouro e um relógio de marca pela beretta. Tinha sido enganado. A puta da arma fabricada na China não chegava nem para um disparo singelo e redentor. Foda-se.

4 comentários:

Susana Serrano disse...

Que infelicidade Piotr! O meu avô suicidou-se com dois tiros, um na cabeça e outro no coração. Que pena as armas dele não serem dos chineses!
Não sei! Comecei a ler o conto e achei que iria entender, mas não. É precisamente o contrário dum conto de Natal e trouxe-me à memória o meu avô, que me chamava carinhosamente suco,suquinho,sucodinho.

Eric Blair disse...

És grande, companheiro.

e-ko disse...

lindo!

perplexo disse...

Muito bom!